sábado, 22 de agosto de 2009

PAC em Santos Dumont

Meu caro leitor: venho, com este, trazer à luz do conhecimento, a mais nova façanha do rico poder de transformação que nossos amigos companheiros e defensores da bandeira do trabalho têm promovido em nossa cidade.
Ao ouvir um programa, sábado, 15 de agosto de 2009, em uma rádio local, fiquei intrigado com o que foi vislumbrado pelos participantes do mesmo. Por volta das ll:45 h, foi passado um dado de referência quanto ao número de secretarias necessárias e recomendadas para uma cidade do porte de Santos Dumont: seriam cinco secretarias, salvo algum engano.
Obviamente, não vou ficar especulando quais secretarias seriam estas, entretanto outro dado ficou no ar, como uma dúvida em relação ao chamado "companheirismo" .Não precisei matutar muito para achar a uma solução para tal dúvida: foi levantada a questão de que o número excessivo de secretarias não é o problema específico, mesmo porque o exemplo vêm de cima: o Governo Federal também aumentou o número de ministérios e também não é o supra sumo da eficiência. Deixa a desejar e muito. Em questão, as tetas para serem sugadas ao ponto de matar a vaca, seria como fazer um Molho Pardo da galinha dos ovos de ouro. Aí meus amigos ou companheiros, me veio a luz da idéia:
Porque não criar em Santos Dumont um novo PAC? O operador de som da rádio, de imediato, fez sua observação: "espera aí esta vaca é aleijada, vaca com cinco tetas"; o outro apresentador do programa disse em seguida: "tem que arranjar uma teta para cada companheiro". Digo-lhes então: um PAC inovador! Provavelmente, se o senhor fizer uma avaliação simples no projeto que passarei a apresentar, poderão ver que este novo PAC tem futuro.
PAC (Programa Amiga Cabra): não se assuste. O nome é este mesmo, não tem erro. O novo PAC é simples e funcional.
Uma cabra comum pode custar em torno de R$ 100,00 e uma vaca custa por volta de R$ 700,00. Estes preços não são tabelados, mas, no entanto, lhe garanto que uma cabra neste preço é uma cabra boa e, por sua vez, a vaca é ruim. É pura matemática. Teremos com as cabras quatorze tetas e com a vaca seriam somente quatro. Seria um crescimento de 250%.
Você, certamente, já ouviu falar no espetáculo do crescimento, apregoado em nossos ouvidos, em rede nacional de comunicação e os benefícios não param por aí.
Imaginem quantos companheiros se beneficiariam. De imediato, seriam 21 companheiros na boa. São quatorze tetas e sete companheiros para tomarem conta das bichinhas. É ou não é um espetáculo? Nada de alarde, pois a coisa ainda é bem melhor. Nossa prefeitura alega que não tem mão de obra suficiente para fazer a capina que se faz necessária em toda a nossa cidade, sem exceções. A capina química é ecologicamente incorreta e a capina manual gera muita fumaça quando da queima de seus dejetos.Moço, é um achado em pleno século vinte e um. O famoso e antiquíssimo cabide de emprego ecologicamente correto e que ainda produz adubo orgânico granulado sequinho, sequinho. Vejam só, que benção! Vamos deixar religião de fora e pensarmos no sucesso do projeto e sua necessária ampliação e raciocinar. Na truculência da administração municipal, no caso da empresa COLETEC, a reciclagem de lixo é mais pesada e, creio eu, que somente as cabras não dariam conta. Porém, quem sabe, poderemos contar com o PAB (Programa Amigo Bode). Seria a glória! Dizem por aí que bode come de tudo e seria mais um companheiro em cada corda de controle. Para consumir todo o lixo da cidade teríamos de ter muitos bodes e seria uma comilança só. Para promover o real espetáculo do crescimento, teríamos de convencer um outro tanto de companheiros para encarar a TETA do caprino.
Não se assuste! Como é peculiar da companheirada, já implementaríamos com um programa de privilégios (Eu quero a minha teta). Eh ... programaço. Gente, é muita coisa ao mesmo tempo: comunidade unida; comilança; baixo custo para criar vinte e uma beira, por setecentos reais, ecologicamente correto; adubo granulado e outras coisas mais que eu deixo por sua conta viajar nas possibilidades e versatilidade dos moços.
Nossa cidade está em busca de novas idéias. Quem sabe você tem uma e ainda lhe conclamo: vá ligeiro, companheiro! Dê o seu grito de liberdade e necessidade: Eu quero a minha teta!


Léo Chaves leochavesbrazil@bol.com.br

Um comentário:

thales disse...

Muitoo massa! isso ae.. continue assim leo..
mais falando francamente... kkk