quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Julian Assange criador e mentor do site WikiLeaks

Quem diria que o atual inimigo público número um dos Estados Unidos seria preso por fazer sexo sem camisinha. Pois é, esse foi o argumento do governo da Suécia para pedir a prisão do australiano Julian Assange, criador e mentor do site WikiLeaks, especializado em divulgar documentos sigilosos. Ele é acusado de cometer crimes sexuais (estupro e abuso sexual) no país, onde esteve em agosto para realizar palestras.O homem por traz do WikiLeaks é procurado por coerção ilegal, molestamento sexual e molestamento deliberado. Segundo o governo sueco, com uma das vítimas, ele teria feito sexo sem camisinha enquanto a mulher queria o uso de preservativos (o que configura a segunda acusação) e abusado dela de modo a violar sua integridade física (o que configura a terceira). Ainda há uma quarta acusação de que ele teria transado com uma segunda mulher sem preservativos, enquanto ela dormia.
Assange nega todas as acusações e diz que o sexo ocorreu com consentimento, mas sem o uso de preservativo, o que é considerado um crime no país escandinavo. O caso chegou a ser arquivado, mas depois foi reaberto. Acompanhado dos advogados, Mark Stephens e Jennifer Robinson, e sem alarde, Assange se entregou ontem à Polícia Metropolitana de Londres. Ele vai permanecer sob custódia até dia 14 de dezembro, pois a Justiça britânica negou o pedido de soltura apresentado pela defesa. Um doador anônimo teria até oferecido 60 mil libras para pagar a fiança. O australiano, que é jornalista, programador de sistemas e já foi hacker, afirma que sua prisão é política, e foi motivada pela divulgação de documentos pelo WikiLeaks. Por isso, ele é procurado pela Interpol, que o considera responsável pelo constrangimento causado aos Estados Unidos, pelos milhares de documentos sigilosos que foram publicados na internet. São cartas, arquivos, vídeos e fotos que revelam bastidores e segredos da política externa, informações sobre as guerras do Iraque e Afeganistão e gafes da diplomacia. O estrago que o site fez à reputação americana nos últimos meses é considerável. O primeiro grande desgaste ocorreu em outubro, quando o site divulgou mais de 400 mil documentos sobre a Guerra do Iraque, muitos do próprio punho de militares americanos no campo de batralho. Dentre as atrocidades relatadas, havia alegações de que o governo americano escondera a morte de dezenas de milhares de civis, além de casos de extermínio e tortura.
Em abril, o WikiLeaks divulgou um vídeo onde soldados americanos, em um helicoptéro, abrem fogo contra civis (inclusive crianças) iraquianos.
No mais novo vazamento, no mês passado, o site revelou o que pensa o Departamento de Estado dos EUA. Foram divulgados mais de 250 mil documentos (telegramas) da diplomacia americana. Os casos provocaram embaraço aos americanos - havia até textos em que se suspeitava da sanidade mental de alguns dirigentes mundiais. Informações estratégicas dos EUA (como os locais que o país considera essenciais para sua segurança - alguns deles, como minas e cabos submarinos, estão no Brasil) também foram divulgados.
Fonte: pedro.levindo@redebahia.com.br

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Parlamento Jovem Minas discutirá a questão das drogas em 2011

A questão das drogas será o tema da próxima edição do Parlamento Jovem Minas 2011. Representantes das Câmaras Municipais que irão coordenar a etapa municipal do projeto estiveram, na última semana, na Escola do Legislativo. Eles participaram de atividades de capacitação e de reuniões de trabalho, e acompanharam palestras sobre diferentes temas que reforçaram a compreensão do projeto no contexto da educação política dos jovens.
Nas reuniões, foram discutidos e deliberadas questões referentes á edição de 2011, tais como calendário de atividades, formato das sessões finais e papel de cada instituição nesta parceria entre ALMG, câmaras e PUC Minas.
A abordagem sobre as drogas esteve incluída, direta ou indiretamente, nos quatro temas finais que foram para votação: Esporte e Juventude; Drogas e Violência; Drogas; e Capacitação e Inserção do Jovem no Mercado de Trabalho. O tema escolhido e suas múltiplas dimensões, que deverão ser incorporadas à discussão, vão passar por uma análise dos técnicos da Gerência-Geral de Projetos Institucionais da ALMG e da Escola do Legislativo, para a identificação de dois subtemas que irão compor a temática do Parlamento Jovem.
A nova edição do projeto terá a participação de 18 Câmaras Municipais mineiras. Este número representa seis casa legislativas a mais do que em 2010. A ampliação do projeto exigiu alguns ajustes na sua dinâmica para garantir a participação de todos os municípios e dos jovens que virão representá-los na etapa estadual do PJ Minas. Assim, cada município terá seis representantes na sessão final, em vez de 10, e enviarão para a ALMG quatro propostas para cada um dos dois subtemas a serem definidos. Com esse formato, o documento base do PJ Minas terá inicialmente 72 propostas.
Em Belo Horizonte, os 120 jovens que irão participar da etapa estadual, serão divididos em quatro grupos de trabalho, para discutir, modificar e priorizar quatro propostas de uma lista inicial de 18. Na sessão final, realizada no Plenário da Assembleia, os jovens irão discutir um documento com 16 propostas de ações para o poder público em torno do tema Drogas.
Até o lançamento do projetos nos municípios, previsto para as duas últimas semanas de fevereiro, a Escola do Legislativo manterá contato com os servidores, que irão coordenar o projeto nas 18 câmaras participantes, visando a trocar informações sobre o tema e sugestões para consolidar os calendários municipais.Municípios participantes - Araçuai, Belo Horizonte, Capelinha, Carandaí, Caratinga, Carmo do Cajuru, Divinópolis, Iturama, Juiz de Fora, Montes Claros, Ouro Preto, Paracatu, Poços de Caldas, Pouso Alegre, Santos Dumont, Timóteo, Viçosa e Visconde do Rio Branco.
Esta notícia encontra-se publicada no site www.almg.gov.br
A iniciativa de incluir a Câmara Municipal de Santos Dumont no Projeto Parlamento Jovem ocorreu após nossa participação no encerramento do Parlamento Jovem 2010 na Câmara Municipal de Juiz de Fora. Nós próximos dias iremos entrar em contato com o Pró-reitor da Universidade Federal de Juiz de Fora, Professor Romário Geraldo para viabilizar firmarmos convênio à exemplo do que ocorre com a Câmara Municipal de Juiz de Fora, visando a contratação de dois estagiário de Assistência Social para acompanhar o Projeto junto as Escolas Municipais, Estaduais e Particulares que manifestem o desejo de participar do projeto. Trabalharemos para que haja o máximo de adesão ao projeto. Em breve daremos mais notícias.
fonte : Blog do Vereador Afonso Ferreira - http://vereadorafonso.blogspot.com/